ONU exige cessar-fogo imediato; Israel diz que não tem ‘direito moral’ de parar a guerra

  • 26/03/2024
ONU exige cessar-fogo imediato; Israel diz que não tem ‘direito moral’ de parar a guerra
ONU exige cessar-fogo imediato; Israel diz que não tem ‘direito moral’ de parar a guerra (Foto: Reprodução)

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou, nesta segunda-feira (25), uma resolução que exige um cessar-fogo imediato entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza.

A libertação imediata e incondicional de todos os reféns também fez parte da demanda do Conselho. Isso ocorreu após os EUA terem optado por não exercer seu poder de veto e se abstido na votação.

Pela primeira vez, desde o início da guerra em outubro, o Conselho de Segurança aprovou uma resolução exigindo um cessar-fogo imediato em Gaza.

‘Direito moral’

Israel "não tem o direito moral de parar a guerra em Gaza", afirmou o ministro da Defesa, Yoav Gallant, em uma declaração em vídeo feita a partir de Washington, onde estava em visita oficial.

(Foto: Reprodução)
Yoav Gallant, ministro da Defesa do Estado de Israel. (Foto: Wikipedia)

“Não temos o direito moral de parar a guerra em Gaza até devolvermos todos os reféns às suas casas. Se não alcançarmos uma vitória clara e absoluta em Gaza, isso poderá aproximar-se de uma guerra no norte”, justificou Gallant.

A resposta de Gallant foi divulgada por sua equipe antes das reuniões agendadas com o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, e o secretário de Estado, Anthony Blinken.

O ministro da Defesa, qualificando a decisão da ONU como "escandalosa", afirmou que durante sua reunião com Sullivan, destacaria a importância de derrubar o regime do Hamas e de devolver os reféns às suas casas.

“Agiremos contra o Hamas em todos os lugares, mesmo em áreas onde ainda não estivemos”, acrescentou. “Criaremos uma alternativa ao Hamas para que as IDF [forças militares de Israel] possam completar a sua missão.”

Resolução não deve ser acatada

A Resolução 2728 é considerada não vinculativa, e não se espera que tenha um impacto imediato nos combates em curso em Gaza, seguindo o padrão de resoluções anteriores do Conselho de Segurança que foram adotadas em outros conflitos e posteriormente ignoradas.

“É uma resolução não vinculativa, portanto não há qualquer impacto na capacidade de Israel de continuar a perseguir o Hamas”, disse John Kirby, Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, durante coletiva de imprensa. A posição parece ser partilhada também pela Coreia do Sul e por outros membros.

Não se espera que Israel cumpra o apelo da resolução para um cessar-fogo imediato, nem que o Hamas siga o pedido de libertação imediata e incondicional dos 134 reféns.

Embora apenas o primeiro seja parte da Carta da ONU e não cumpra as suas resoluções, isso poderá levar a pedidos de sanções. No entanto, com os EUA destacando que a resolução não é vinculativa, é altamente improvável que Washington permita que o Conselho sancione Israel por não cumprir a medida.

No entanto, a decisão inédita representa um golpe simbólico na posição internacional de Israel, ocorrendo quase seis meses após o ataque do Hamas em 7 de outubro. Além disso, parece destacar um novo declínio nos laços entre os EUA e Israel.

Ida a Washington cancelada

Mais tarde, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou o cancelamento dos planos de enviar uma delegação a Washington, solicitada pelo governo, para discutir a potencial invasão terrestre em Rafah.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, afirmou que a abstenção dos EUA "não representa uma mudança em nossa política", indicando um certo grau de confusão sobre a decisão de Netanyahu de apresentá-la como tal.

"Estamos muito desapontados por [a delegação israelense] não vir a Washington DC para nos permitir ter uma conversa completa sobre as alternativas viáveis para uma intervenção terrestre em Rafah", disse Kirby aos jornalistas.

O presidente Joe Biden, não tem planos de ligar para Netanyahu sobre o cancelamento, e Netanyahu também não ligou para Biden com antecedência, acrescentou o funcionário.

A resolução aprovada "reconhece" os esforços em curso para garantir um acordo de reféns, mas não estabelece diretamente uma ligação entre essas conversações e o cessar-fogo em Gaza que exige.

Uma resolução dos EUA, vetada pela Rússia e pela China na sexta-feira (22), estabeleceu uma ligação mais direta entre a exigência de um cessar-fogo em Gaza e as negociações mediadas pelo Catar, Egito e EUA.

Os EUA já haviam vetado resoluções que apelavam a um cessar-fogo imediato e não continham qualquer menção ou ligação às conversações sobre os reféns.

Ramadã

A resolução “exige um cessar-fogo imediato durante o mês do Ramadã, respeitado por todas as partes, conduzindo a um cessar-fogo duradouro e sustentável, e também exige a libertação imediata e incondicional de todos os reféns”, referindo-se ao mês sagrado islâmico que termina dentro de aproximadamente duas semanas.

Os copatrocinadores da resolução – Argélia, Equador, Guiana, Japão, Malta, Moçambique, Coreia do Sul, Serra Leoa, Eslovênia e Suíça – tentaram incluir a frase "cessar-fogo permanente e sustentável" nessa linha, mas os EUA rejeitaram o termo. Na decisão final, o texto utiliza a frase "cessar-fogo duradouro e sustentável".

Argélia, Malta, Moçambique e Serra Leoa contestaram esta interpretação. Mas dado que os EUA podem impedir os membros de tentarem sancionar Israel por não cumprir a resolução, a interpretação de Washington parece ter mais peso.

Essas posições diversas demonstram a influência altamente limitada que a ONU tem na avaliação dos conflitos em todo o mundo.

Reféns

Linda Thomas-Greenfield, a embaixadora dos EUA na ONU, explicou que optou pela abstenção na resolução em vez de votar a favor, principalmente devido à ausência de uma condenação do Hamas.

(Foto: Reprodução)

Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos EUA na ONU, levanta a mão para se abster. (Captura de tela/YouTube/Guardian News)

Ela afirmou que a resolução reafirmava a posição dos EUA de que um cessar-fogo só poderia ser alcançado por meio de um acordo de reféns.

A embaixadora reafirmou a posição dos EUA de que um cessar-fogo poderia ser alcançado imediatamente se o Hamas libertasse os reféns, e encorajou os membros do Conselho de Segurança a condenarem e pressionarem o grupo terrorista.

Cento e trinta e quatro reféns ainda estão sob custódia de grupos terroristas em Gaza desde o ataque do Hamas em 7 de outubro. Nesse incidente, milhares de terroristas invadiram Israel, resultando na morte de cerca de 1.200 pessoas e no sequestro de outras 253, a maioria civis.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/israel/onu-exige-cessar-fogo-imediato-israel-diz-que-nao-tem-direito-moral-de-parar-guerra.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Top 10

top1
1. Adoracao

Quezia dos Santos

top2
2. Eucleia Feliciano

Eucieia Feliciano

top3
3. Aquieta Minh'alma

Ministério Zoe

top4
4. A Casa É Sua

Casa Worship

top5
5. Ninguém explica Deus

Preto No Branco

top6
6. Deus de Promessas

Davi Sacer

top7
7. Caminho no Deserto

Soraya Moraes

top8
8.

Midian Lima

top9
9. Lugar Secreto

Gabriela Rocha

top10
10. A Vitória Chegou

Aurelina Dourado


Anunciantes